}

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

[RESENHA] Grey: Cinquenta Tons de Cinza Pelos Olhos de Christian, E. L. James

Por Amanda Medeiros



Sabe quando você tem aquela sensação de que um livro deveria ter parado por ali? As vezes nos sentimos assim em sagas quando o autor acaba deixando o livro exagerado e acabando com a história. Infelizmente foi assim que me senti lendo Grey, Cinquenta Tons de Cinza Pelos Olhos de Christian.


Grey - Cinquenta Tons de Cinza pelos Olhos de Christian
Cinquenta Tons de Cinza # 4
E.L. James...
Ano: 2015 / Páginas: 524


Sinopse: Grey - Na voz de Christian, e através de seus pensamentos, reflexões e sonhos, E L James oferece uma nova perspectiva da história de amor que dominou milhares de leitores ao redor do mundo.
Christian Grey controla tudo e todos a seu redor: seu mundo é organizado, disciplinado e terrivelmente vazio – até o dia em que Anastasia Steele surge em seu escritório, uma armadilha de pernas torneadas e longos cabelos castanhos. Christian tenta esquecê-la, mas em vez disso acaba envolvido num turbilhão de emoções que não compreende e às quais não consegue resistir. Diferentemente de qualquer mulher que ele já conheceu, a tímida e quieta Ana parece enxergar através de Christian – além do empresário extremamente bem-sucedido, de estilo de vida sofisticado, até o homem de coração frio e ferido.
Será que, com Ana, Christian conseguirá dissipar os horrores de sua infância que o assombram todas as noites? Ou seus desejos sexuais obscuros, sua compulsão por controle e a profunda aversão que sente por si mesmo vão afastar a garota e destruir a frágil esperança que ela lhe oferece?


Bom, vamos lá! A primeira coisa que notamos e que fica óbvio já pelo título é que a autora muda o ponto de vista da sua narrativa, ou seja, este quarto livro é narrado pelo Christian Grey. Por haver essa mudança imaginei que o livro fosse ser muito diferente dos outros três, assim como também imaginei que este seria um único livro narrando a história dos outros três. Foi um engano pensar desta forma visto que o primeiro livro de Grey narra apenas o primeiro livro da trilogia pelo ponto de vista de Christian. Assim, tivemos que ler toda aquela troca de e-mails, mensagens novamente que achei um pouco desnecessária o que ao meu ver poderiam ser substituídas por novas informações que deixaria o livro muito mais interessante e menos repetitivo. A impressão que tive foi que a autora simplesmente pegou o arquivo do livro anterior e reescreveu substituindo os pensamentos de Anastasia pelos de Christian.  

Toda a narrativa e o ponto de vista de Christian havia ficado subentendido nos três livros anteriores quando notamos que ele era um homem inseguro e cheio de pesadelos internos além de ser dono de uma escuridão que o faz pensar não se merecedor do amor de qualquer pessoa. Neste livro porém a autora deixa claro desde o início que Christian teve muitos problemas em sua infância que foram responsáveis pela pessoa em que ele se tornou. E esse ponto foi muito interessante pois foram as novas informações sobre a vida do personagem que a autora acrescentou. A autora foi muito assertiva em acrescentar na narrativa os sonhos de Christian pois pudemos ter em mente a profundidade do trauma causado na sua infância.

Outro ponto positivo do livro foi que a autora explicou exatamente o problema que Christian teve quando precisou voltar às pressas da Georgia para Seattle, e as impressões que o personagem teve quando estava dormindo ao sentir que havia algo ou alguém o observando. Porém, ao que se pode imaginar, as cenas de sexo descritas pelo personagem não envolvem sentimentos como nas cenas descritas por Ana, sendo mais brutas e com um tom muito menos erótico, o que deixou a leitura cansativa e exaustiva.

Um ponto positivo nessa história toda foi que após assistir o filme e ler este livro não consegui pensar em outros atores para fazer o papel de Christian e Ana. Cheguei à conclusão de que Dakota Jhonson e Jamie Dornan foram muito bem escolhidos para o papel e consegui imaginar durante todo o livro os dois como Anastasia e Christian.

Contudo, o livro não é de todo ruim. Como já citei houveram pontos positivos durante a narrativa,e outro deles é que o livro de Christian não termina no mesmo momento do primeiro livro, mas ele termina já no início do Cinquenta tons mais escuros. Acredito que mesmo com esses pontos positivos, muita coisa poderia ter sido diferente. A autora poderia ter mantido apenas alguns diálogos entre eles e não todos como fez e poderia ter acrescentado mais informações diferentes. Portanto, com certeza não foi o melhor livro da série, que até então era minha favorita. 



3 comentários:

  1. Oie. Gostei muito da resenha. Vocês fazem top comentarista do mês ? Se sim me avisa
    Watts App 87 99639-0430
    Ig libsorteio
    Email libero_alves@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Libero! Fico feliz que tenha gostado da resenha! Infelizmente não faço o top comentarista mas quando fizer eu te aviso!

      Excluir
  2. Eu não li a trilogia de cinquenta tons de cinza, mas assisti o filme (sei que não é a mesma coisa). Eu adorei a temática e sei que no livro tudo é mais forte e mais apimentado, mas não me interessei pela trilogia, mas isso não acontece com GREY que eu estou super afim de ler e de formar a minha opinião. Adorei o seu blog, já está nos meus favoritos.

    Meu Blog: www.umcontainer.com

    ResponderExcluir